Segunda, 20 de Setembro de 2021 19:30
75 9 9173-8131
Política

Manifestações por voto impresso ocorrem em várias regiões do Brasil

Tendência é que proposta de emenda do voto auditável seja derrotada no Congresso

02/08/2021 10h13 Atualizada há 2 meses
445
Por: Redação Fonte: R7

 

Apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fazem manifestações neste domingo (1), em vários locais do Brasil, pedindo a volta do voto impresso. Na Avenida Atlântica, em Copacabana, no Rio, os manifestantes revezam-se em discursos nos carros de som dos organizadores, repetindo argumentos do presidente Jair Bolsonaro contra a votação exclusivamente digital.

Eles também fazem ataques a alvos diversos, desde parlamentares a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF). Também há críticas à imprensa profissional e a partidos políticos, especialmente de esquerda. O protesto reúne pessoas distribuídas ao longo de seis quarteirões da orla.

Manifestantes vestidos com camisa da Seleção Brasileira, alguns com bandeiras do Brasil e muitos sem máscaras, carregam cartazes pedindo o voto impresso. Em volta de um dos carros de som, do Movimento Conservador, os manifestantes gritavam “Lula, ladrão, seu lugar é na prisão”.

O youtuber Bruno Jonssen disse que a vontade popular pelo voto impresso é superior ao ministro Luís Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Barroso tem defendido o voto eletrônico. “Isso é democracia” discursou o youtuber.

Barroso e outros ministros do STF têm defendido o voto exclusivamente eletrônico. Argumentam que a votação digital já é auditável. Dizem que, se houver a possibilidade de uma recontagem de votos impressos, candidatos derrotados tenderão a pedir recontagem.

Também há preocupação com a possibilidade de mobilização, via redes sociais, de eleitores inconformados com a derrota de seus candidatos. Poderiam pressionar os escrutinadores do voto impresso e criar um ambiente favorável a soluções extraconstitucionais – por exemplo, um golpe.

O presidente Jair Bolsonaro, que venceu várias eleições por voto exclusivamente eletrônico, tem exigido que o pleito de 2022 tenha voto também impresso. Indica que não aceitará o resultado apenas digital. Explicitou essa posição principalmente depois que pesquisas indicaram que sua popularidade caía e que não seria reeleito hoje.

Discurso sem provas

Em um discurso confuso em defesa do voto impresso e novamente sem apresentar provas de fraude nas eleições, o presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou neste domingo que, “se preciso for”, fará um convite para que o “povo de São Paulo” se pronuncie sobre mudanças no sistema de votação.

“Se o povo lá disser que o voto tem que ser auditado, que a contagem tem que ser pública, e que o voto tem que ser impresso, na forma como se propõe a PEC da (deputada) Bia (Kicis), tem que ser desta maneira”, disse Bolsonaro.

No ato deste domingo, Bolsonaro voltou a citar supostas irregularidades em eleições ocorridas em São Paulo. Ele não se aprofundou sobre a questão nem forneceu argumentos que embasassem sua desconfiança.

O presidente não explicou por que e como seria feita uma eventual consulta à população de São Paulo sobre o voto impresso. O Estado tem o maior colégio eleitoral do País. Bolsonaro também não citou a possibilidade de consulta a outras unidades da Federação e não explicou por que apenas São Paulo seria ouvida.

Em discurso por telefone a apoiadores do voto impresso em Brasília, ele repetiu que, sem eleições “limpas e democráticas”“não haverá eleição” em 2022.

PEC do voto impresso

A ideia do voto impresso está materializada na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 135/2019, de autoria da deputada Bia Kicis (PSL-DF). A proposta está em comissão especial da Câmara, que retomará os trabalhos na próxima semana, após o recesso parlamentar.

A tendência é de que PEC seja derrotada. Nos últimos dias, Bolsonaro tem intensificado o discurso a favor do voto impresso, numa tentativa de emplacar a proposta no Congresso.

Em manifestação em Brasília neste domingo, a parlamentar associou a possível derrota do parecer na comissão especial à pressão do TSE.

“A pressão é muito grande. Quando nós aprovamos o tema em comissão tínhamos 33 votos a 5. Os parlamentares eram todos favoráveis. Mas a pressão que vem do TSE é muito grande”, disse a deputada, em referência à aprovação da admissibilidade da PEC na CCJ em 2019.

Inicialmente, havia maioria para aprovar a PEC na Comissão. Mas em uma jogada coordenada, partidos políticos de centro e centro-direita trocaram membros que eram favoráveis ao tema por parlamentares contrários. A ideia é barrar o texto no nascedouro e evitar que ele vá ao Plenário.

 

    * O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
    Ele1 - Criar site de notícias